aluna high pulse

O tabagismo é mais do que um simples hábito nocivo à saúde: ele deve ser tratado como doença. E um dos maiores problemas desse vício, é a demora das pessoas por buscarem ajuda e tratamento.

Segundo dados do Vigitel/2019, o percentual total de fumantes com 18 anos ou mais no Brasil é de 9,8%, sendo 12,3 % entre homens e 7,7 % entre mulheres.

“As pessoas têm um preconceito com a busca por tratamentos, elas acham que parar de fumar é algo que têm de fazer sozinhas, sem ajuda médica. Normalmente, só buscam um especialista quando são diagnosticadas com uma enfermidade ou alguma limitação relacionada ao cigarro. Isso é um problema”, afirma a cardiologista Jaqueline Scholz, diretora do Programa de Tratamento do Tabagismo do Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo).

O tabagismo é fator de risco para infecções respiratórias, doenças vasculares, cardiovasculares e pulmonares, e também pode ser uma combinação catastrófica com o novo coronavírus, já que ele danifica os pulmões, deixando-os vulneráveis. O cigarro aumenta consideravelmente o risco de desenvolvimento da doença, segundo a OMS, Organização Mundial da Saúde.

cartaz covid19

cartaz covid

O exercício físico é um poderoso aliado para o combate ao tabagismo. Além de ajudar a lidar com a ansiedade, o prazer associado ao hábito de fumar pode ser substituído pelo prazer de fazer uma atividade física.

De acordo com pesquisa divulgada pela universidade St. George’s University de Londres, o exercício reduz acentuadamente sintomas de abstinência da nicotina. De acordo com os pesquisadores, os mais indicados são os exercícios cardiovasculares, que melhoram a vasodilatação e aumentam o volume de oxigênio circulante no organismo. Para eles, 15 minutos de atividade física por dia já seria suficiente para ajudar no combate a esse mal.

A prática regular de atividade física só traz benefícios ao corpo e à mente.

Conheça a High Pulse e transforme suas vidas e seus hábitos!

Fontes: UOL, Ativo.com.br e Portal R7